O sociologismo moral

     Hoje, na série de artigos sobre o crepúsculo dos valores, veremos o sociologismo moral.
     Esta doutrina entende que a moral é o conjunto de regras impostas pela sociedade, em determinada época, e que, portanto, varia no tempo. O que é moralmente válido, para esta doutrina, é o que diz ou o que faz a maioria.
     Ora, este pensamento afronta a moral cristã porque sabemos que, apesar da sociedade humana sofrer mudanças no decorrer da história, os valores cristãos jamais deixam de ser válidos, verdadeiros para todos os homens, de todos os tempos e de todas as culturas.
     Além do mais, temos na história exemplos tristes em que determinada sociedade deixou-se guiar moralmente pela vontade da maioria e não pela verdade evangélica, o que resultou em enormes tragédias sociais, como ocorreu na Alemanha governada por Hitler.
     Jesus Cristo é o parâmetro moral, válido para quaisquer sociedades, de todos os tempos.
     Diz a Carta aos Hebreus, em seu capítulo 13, versículos 8 e 9:
     “Jesus Cristo é o mesmo, ontem e hoje; ele o será para sempre! Não vos deixeis extraviar por doutrinas ecléticas e estranhas.”
     Próximo post: o biologismo e o evolucionismo moral.
     Shalom!
     Álvaro Amorim.
     Consagrado na Comunidade Católica Shalom.

Share/Bookmark

Creative Commons License
Imagem: http://www.sxc.hu/photo/441994

2 Comentários:

Emmanuel Nogueira comentou:

Realmente esse pensamento de "verdades transitórias" desvirtua demais o homem, porque destrói os valores humanos que são vitais para manter-nos no caminho.
E esse caminho o proprio Deus nos revelou que é Ele mesmo. "Eu sou o caminho a verdade e a vida". Infelizmente muitos relutam em acreditar nisso e preferem o caminho mais facil, que é justamente ir junto com a maioria.
Grande abraço!
Shalom!

Álvaro Amorim comentou:

Querido Emanuel,
Realmente, o homem e a mulher de hoje necessitam ter uma experiência com o Absoluto, com Deus! E, como você disse, o próprio Deus já nos mostrou o Caminho para este encontro: Jesus Cristo!
Shalom!
Álvaro Amorim.

Postar um comentário