São João, o Batista, e a vocação Shalom

     Hoje, dia 24 de junho, a Santa Mãe Igreja celebra a Natividade de São João, o Batista, o Precursor, homem "mais do que profeta" (Lc 7, 26).
     Este santo homem, filho de Zacarias e Isabel, parente de Jesus (cf. Lc 1, 36), é de importância fundamental para a nossa vocação Shalom.
     Foi João quem anunciou para um Israel pecador, afastado de Deus, descrente, oprimido pelo Império Romano, a salvação, o Salvador, o Messias tão esperado pelo povo, tão predito pelos profetas do passado, ao proclamar: "Eis o Cordeiro de Deus" (Jo 1, 36).
     Sua vida toda foi anúncio. Ele mesmo, reconhecendo sua missão, refere-se a si mesmo como "a voz", como se o resto do corpo não importasse tanto, mas o falar, o proclamar, o anunciar o Cristo era o essencial: " Eu sou a voz que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor" (Jo 1, 23).
     Fazendo-se uma lectio das palavras do profeta Jeremias, podemos perceber a ligação intrínseca entre o múnus profético e o ser Shalom.
     Na verdade, nós, cuja vocação sustenta-se na contemplação, na unidade e na evangelização, podemos observar como a dimensão evangelizadora do Carisma, portanto profética, é plasmada por Deus em cada um de nós quando da nossa escolha, da nossa separação para Deus — na consagração.
     Vejamos o texto bíblico:
     "Foi-me dirigida nestes termos a palavra do Senhor: Antes que no seio fosses formado, eu já te conhecia; antes de teu nascimento, eu já te havia consagrado, e te havia designado profeta das nações" (Jr 1, 4-5).
     O profeta Jeremias, alvo do amor misericordioso de Deus, portanto escolhido, eleito, ouve do Senhor três afirmações que configuram o ser profeta, as quais estão presentes também em São João, o Batista:
     1. Antes de sua concepção (ser formado no seio materno), Deus já o conhecia.
     Este "conhecer" bíblico revela intimidade; aqui, desejo íntimo, um querer de entranhas: o profeta é desejado, querido por Deus, mesmo antes de sua concepção. Ou seja: cada shalomita foi pensado por Deus, foi desejado, foi querido. Deus ansiou pela nossa existência, "vibrou" de alegria no momento de nossa concepção, quando nosso pai e nossa mãe, partícipes na criação, nos conceberam, dando seu "sim" ao plano de Deus de criar um "profeta das nações" (Jr 1, 5).
     2. Antes de seu nascimento, Deus já consagrara o profeta.
     Quando fui consagrado por Deus ? Naquela missa na Catedral Metropolitana de Fortaleza, no dia 12 de abril de 2007 (no meu caso) ? Ou fui consagrado por Deus, separado para ele, antes do meu nascimento ?
     Deus escolheu cada shalomita antes do seu nascimento. No batismo, foi celebrada sacramentalmente esta consagração, e na missa em que afirmamos, perante Deus e a Comunidade, nossas promessas, demos o nosso "sim" a esta consagração, aceitamos a aliança que Deus fizera conosco, foi aprofundado o elo de amor entre Deus e cada shalomita.
     Portanto, Deus esperou vários anos para que cada um de nós abraçasse a consagração, e, às vezes, mesmo depois da missa de consagração, ainda hoje espera e deseja que muitos acolham e vivam plenamente a consagração a esse Deus de amor.
     3. Antes de seu nascimento, Deus o havia designado profeta das nações.
     Bem antes de cada shalomita nascer, Deus quisera para cada um de nós aquilo que dá sentido à nossa vida para sempre: sermos profetas das nações, sermos evangelizadores do mundo.
     É bem significativo para nós este termo "profeta das nações", sobretudo após o nosso reconhecimento pontifício-canônico, que nos tem feito ouvir de bispos, cardeais — da Igreja — que nosso carisma é para o mundo, que nossa terra de missão é o mundo inteiro, que somos chamados e designados por Deus para evangelizar todas as nações da Terra, cada homem e mulher, onde quer que eles estejam.
     Desejados, queridos, consagrados por Deus, nós, que temos o carisma Shalom, fomos designados "profetas das nações", evangelizadores, anunciadores do Cordeiro de Deus, como São João, o Batista. Fomos criados para sermos "a voz do Ressuscitado" que anuncia Jesus Cristo, aquele que perdoa os pecados do homem e da mulher, tão sofridos, tão oprimidos pelo império do ódio, da dor, da morte.
     Pela intercessão de São João, o Batista, peçamos ao Senhor que conceda a cada um de nós shalomitas a graça de reconhecer que "importa que ele (o Cristo) cresça e que eu diminua" (Jo 3, 30), para que as nações contemplem, amem e adorem o Cordeiro de Deus, Jesus, o ressuscitado que passou pela cruz.
     Shalom!
     Álvaro Amorim.
     Consagrado na Comunidade Católica Shalom.
Share/Bookmark

Creative Commons License
Imagem: http://ecclesia.com.br/synaxarion/wp-content/gallery/maio/s_joao_batista_terceira_descoberta.jpg

2 Comentários:

Anônimo comentou:

Oi Álvaro!!!

Que o Senhor me ajude a corresponder ao Seu amor. Reze por mim.

Shalom!!!
Raiane

Álvaro Amorim comentou:

Querida Raiane,
Rezei por você, pedindo a Deus que a faça sempre fiel ao amor dele, nosso sustento!
Shalom!
Álvaro Amorim.
Consagrado na Comunidade Católica Shalom.

Postar um comentário