Vida na Esperança

      Das três virtudes teologais (fé, amor e esperança), creio que a última, quando acolhida como uma graça de Deus e vivida com o auxílio do Espírito Santo, consegue imprimir no cristão traços distintivos em relação às outras pessoas.
     Obviamente, todos fomos criados à imagem e semelhança de Deus. Portanto, a princípio, não se pode ver distinção entre as pessoas, sejam elas cristãs ou não. Todavia, como o barro na mão do oleiro, o cristão que vive na Esperança toma contornos de uma beleza singular, o que o destaca daqueles que se fecham ao acolhimento em suas vidas deste imenso favor de Deus.
     Quem vive na Esperança é como que liberto deste corpo de morte e consegue transcender ao Céu já aqui na terra. Mesmo morando neste vale de lágrimas, vive as delícias do Céu, o que faz do cristão alguém diferente, alguém com sabor, com sabedoria, com “gosto” de sal nesta terra.
     O poeta Charles Péguy, ao definir esta graça, disse:
     “A esperança é o anseio de quem se candidata ao Eterno.”
     O poeta vê a esperança como um anseio, um desejo ardente.
     Para nós que fomos criados Shalom, isto diz muito. O Moysés, ao encerrar o escrito Obra Nova, referindo-se ao “novo” que Deus realiza em nós, fala que devemos ansiar por este “novo” e dar uma resposta concreta a Deus para que esta “obra” se concretize.
     Diz nosso Fundador:
    “Com nossos corações cheios de desejo, devemos responder dizendo: ‘Sim, Pai, não é fácil, mas eu desejo, eu quero, eu vou. Amém!’.”
     Ora, ao desejar este “novo”, ao ansiar por esta “obra nova” em nossas vidas, passamos a viver na Esperança, começamos a ultrapassar, pela graça de Deus, tudo o que nos impedia de viver o que Deus tem preparado para a nossa felicidade já aqui na terra, e começamos a permitir que o Senhor nos forme em pessoas novas.
     A vivência desta graça forma mulheres e homens novos, distintos do ser humano que nada espera, que considera que a vida é apenas a da terra, que tem como ideal o “comamos e bebamos, pois amanhã morreremos!”
     Cria-se assim uma diferença nítida entre aqueles que vivem na Esperança e aqueles que só têm olhos para o aqui e o agora. Aí repousa, como disse no início, o traço distintivo do cristão.
     Num mundo em que muitos “elaboram” sua própria fé, construindo-a a partir de si mesmos, de seus valores, de suas opiniões, de suas mentalidades e de suas vontades (o que mais parece com o fazer compras em um supermercado, onde se escolhe o que mais agrada e se rejeita o que não apetece); numa sociedade em que a caridade é banalizada e, às vezes, tida como assistencialismo de objetivo meramente narcisista, viver na Esperança dignifica o homem e a mulher, eleva-os e os torna plenos.
     Ansiar pelo Eterno, desejar ardentemente Deus, candidatar-se ao Céu, longe de alienar o cristão das realidades temporais, torna-o alguém co-responsável pela felicidade dos outros, solidário ao homem e à mulher que sofrem, atento à maior necessidade do ser humano: o encontro com Jesus Cristo, nossa Esperança!
     Em meio ao sofrimento, próprio da condição humana, a vida em Cristo, nossa Esperança, remete o cristão ao Céu, retira seu olhar da morte, liberta-o dos grilhões da dor, faz com que ele ouça seu Deus, seu Pai, dizer: “Filho, tua morada é comigo, teu lugar é o Céu, teu repouso é o meu Coração!”
     Somente a vida em Cristo dá sentido a tudo, ajuda a viver os mistérios que ultrapassam a natureza humana e assim, como habilidoso escultor, modela um belo homem e uma bela mulher! Sustenta a fé, quando se enfrenta percalço na caminhada. Aperfeiçoa o amor, pois abre o olhar da alma ao essencial.
     Só Jesus Cristo transforma a morte em vida, em vida eterna, em vida plenamente feliz, em vida em Deus, maior anseio do coração do homem e da mulher.
     Shalom!
     Álvaro Amorim.
     Consagrado na Comunidade Católica Shalom.

Share/Bookmark

Creative Commons License

4 Comentários:

Letícia comentou:

Como é interessante as coisas viu Meu Irmão, nunca tinha olhado pra "Esperança" dessa forma, nunca tinha percebido a grandeza dessa virtude...
Senti um conforto, o entendimento de alguns questionamentos atraves dessa leitura, parece que algumas coisas ficaram mais claras.

Obrigada Álvaro, e que Deus continue a lhe iluminar!

Shalom!!!

Álvaro Amorim comentou:

Querida Letícia,
Jesus é a nossa Esperança! Nele esperamos!
Tudo fica claro quando vivemos apoiados nele, na Rocha!
Deus a abençoe!
Shalom!
Álvaro Amorim.

Anônimo comentou:

Meu IRMAO e com grande alegria na Esperança,
que vejo essa obra divina figurar em ti,quando
voce ensinava aqueles alunos para colegio militar
no Santurario de Fatima,eu estava na outra sala
ao seu lado,lembra.

Shalom do Pai,

Alvaro Amorim.

Cicero Rocha de Araujo.

Álvaro Amorim comentou:

Querido Cícero,
Lembro-me demais de você, daquele cafezinho gostoso que o nosso amigo Jacó fazia! Como Deus ama seus filhos, não é verdade ?
Sei que este mesmo Deus, que elegeu você, sempre estará conosco! Que ele abençoe você, sua esposa, sua vocação!
Shalom!
Álvaro Amorim.

Postar um comentário